11 outubro – Dia Nacional de Saída do Armário

O “National Coming Out Day” (Dia Nacional de Saída do Armário) foi criado nos Estados Unidos em 1988 por Robert Eichberg, um psicólogo do estado do Novo México, e por Jean O’Leary, um político gay assumido, no dia da Segunda Marcha pelos Direitos de Gays e Lésbicas, que teve lugar em Washington, e onde estiveram presentes mais de meio milhão de pessoas que reivindicavam a igualdade de direitos. Por lá, são organizados eventos e debates envolvendo a comunidade gay do país. A data também é comemorada na Suíça, Canadá, Croácia e Alemanha.
 
O objetivo da data, comemorada hoje, dia 11 de outubro, é fazer com que a comunidade LGBT possa viver a sua sexualidade longe da mentira e da omissão. E, também para mobilizar os cidadãos LGBTs para que se construa uma nova realidade, onde essas pessoas possam viver tranquilamente sendo o que são, vivendo sua identidade livremente.
Celebrar este dia é uma oportunidade para criar a consciência sobre a importância de sair do armário, ao mesmo tempo que tenta promover um debate a respeito de assuntos ligados aos cidadãos LGBTs (Lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros). As pessoas que comemoram a data costumam usar os símbolos do orgulho gay, como o triângulo rosa, a letra grega lambda e o arco-íris nas suas joias ou peças de vestuário, de modo a mostrar a presença LGBT em todas as condições sociais, idades, grupos étnicos, contribuindo assim para que a sociedade seja mais aberta à diversidade no quotidiano. 
 
Neste dia também nos lembramos daqueles que faleceram devido ao ódio, como é o caso de Alexandre Ivo, garoto de São Gonçalo (RJ) brutalmente assassinado em 23 de junho de 2010, aos 14 anos. Alexandre foi espancado até a morte por três homens que depois atiraram seu corpo em um terreno baldio. E, mais recentemente do assassinato de Daniel Zamudio, um homossexual chileno de 24 anos de idade, que morreu depois de ser atacado brutalmente por um suposto grupo neonazista, em março desse ano. O jovem morreu em decorrência de ferimentos sofridos em um ataque homofóbico, num parque de Santiago. Daniel foi torturado durante uma hora por seus algozes, que apagaram cigarros em seu corpo, gravaram suásticas e o mutilaram de outras formas.
 
São inúmeros os casos de violência em todo o mundo. Todos motivados única e exclusivamente pelo ódio aos cidadãos LGBTs. Esse tipo de crime reflete bem a gravidade e prevalência da violência homofóbica no mundo. Justamente por isso se faz necessário que as pessoas não se calem nem se escondam.
 
Fonte: www.nossostons.com
 
 
Esta entrada foi publicada em Sexualidade e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.