Hugo Bonemer: admirável coragem de um ator que se assume gay

A vida se contrai e se expande proporcionalmente à coragem do indivíduo”, escreveu a romancista francesa Anaïs Nin, referência do feminismo na literatura.

Jovem ator com carreira em ascensão, Hugo Bonemer expandiu-se muito ao verbalizar poucas e reveladoras palavras.

Numa entrevista ao ‘TV Fama’, da RedeTV!, foi questionado a respeito de sua vida amorosa – pergunta recorrente a qualquer famoso.

Na TV, o ator atuou em ‘A Lei do Amor’, ‘O Negócio’, ‘Alto Astral’, ‘Malhação’, entre outras produções.
 
 

Ao confirmar a existência de um relacionamento, ouviu do repórter: “Ela é do meio artístico?” Sem titubear, Hugo o corrigiu: “É ele, é um ator”. Em tempos de intolerância generalizada, capaz de cercear a liberdade de expressão e suscitar medo, a espontaneidade do ator surpreende. Assim como chama atenção a coragem de assumir quem é, sem rodeios, sem eufemismos, sem máscara.

Não é todo dia que um galã de TV, com fãs que o têm como um príncipe encantado, comenta de maneira tão sincera sobre sua homossexualidade. No meio artístico, há uma abissal diferença entre ser gay e assumir-se gay. A maioria daqueles que o são prefere o silêncio, por temer as inevitáveis consequências numa sociedade ainda tão homofóbica. Em muitos casos, a parte conservadora do público finge não saber pois assim não se sente obrigada a rejeitar. Um comportamento hipócrita.

Ao oferecer a cara a tapa, Hugo Bonemer dá um recado semelhante ao da canção ‘I Am What I Am’, eternizada na voz de Gloria Gaynor. ‘A vida não vale nada / Até que você possa dizer ‘eu sou o que eu sou’. Outro trecho diz: ‘Eu sou o que eu sou / E o que eu sou não precisa de desculpas’.

Procurado pelo blog, o ator preferiu não ser entrevistado sobre o tema. Enviou uma mensagem autoexplicativa. “Falar sobre o ato será sempre menos importante do que o ato em si, especialmente no que se refere a tocar o coração das pessoas que limitam as outras e as obrigam a viver vidas infelizes, conformadas com a mentira. O fato de falar a verdade já é significativo por si só.”

Para o filósofo francês Michel Foucault, o “desejo de ser livre” nos ajuda a enfrentar “nossos monstros secretos”. E somente quando os derrotamos podemos enfim “nos afirmar enquanto identidades” e “enquanto força criativa”.

Ao viver sua verdade, Hugo Bonemer demonstra usufruir de uma liberdade rara e valiosa. Feliz de quem, como ele, não precisa criar um personagem para se esconder de si mesmo.

fonte: terra
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.